sábado, 24 de dezembro de 2016

Santas Festas

Caríssimos leitores

Toda a equipa do Evangelho Quotidiano vos deseja um Natal santo e muito feliz!

No Filho da Virgem, nós reconhecemos e adoramos «o Pão que desceu do céu», o Redentor que veio à terra para dar a vida ao mundo. O próprio Messias o disse: «Eu sou o pão da vida». Em Belém nasceu Aquele que encarnou e se imolou por nosso amor.

O nascimento do Menino Deus sintetiza toda a economia da Salvação: diante do presépio. prostramo-nos para adorar ao mesmo tempo o mistério da Encarnação e o da Presença Real na Eucaristia. A adoração do Menino Jesus torna-se assim adoração eucarística.

Que o esplendor do nascimento do Príncipe da Paz ilumine a noite do mundo e que o poder da Sua mensagem de amor destrua os assaltos orgulhosos do demónio!

Que a nossa fé sustente a nossa caridade e a nossa esperança!

----------------------------------------------------
INFORMAÇÕES
* Evangelho Quotidiano está acessível gratuitamente em Smartphone, iPhone e Androïd.
* Evangelho Quotidiano funciona e desenvolve-es em novas línguas graças ao vosso apoio generoso. Pode fazê-lo
diretamente em linha a partir do nosso sítio. Obrigado.
* Pode também ajudar-nos com as suas iniciativas; para conhecer as nossas necessidades, dirija-se à página Como nos ajudar
* Para responder, utilize o formulário.

Liturgia do Dia - sua Profecia diária


Sabado, dia 24 de Dezembro de 2016

NATAL DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO - Solenidade com Oitava - Missa da Noite
Vigília de Natal

S. Charbel Makhlouf, monge, eremita, +1898

Comentário do dia
Santo Afonso-Maria de Ligório : «Anuncio-vos uma grande alegria para todo o povo»

Is. 9,1-6.

O povo que andava nas trevas viu uma grande luz; para aqueles que habitavam nas sombras da morte uma luz começou a brilhar.
Multiplicastes a sua alegria, aumentastes o seu contentamento. Rejubilam na vossa presença, como os que se alegram no tempo da colheita, como exultam os que repartem despojos.
Vós quebrastes, como no dia de Madiã, o jugo que pesava sobre o povo, o madeiro que ele tinha sobre os ombros e o bastão do opressor.
Todo o calçado ruidoso da guerra e toda a veste manchada de sangue serão lançados ao fogo e tornar-se-ão pasto das chamas.
Porque um menino nasceu para nós um filho nos foi dado. Tem o poder sobre os ombros e será chamado «Conselheiro admirável, Deus forte, Pai eterno, Príncipe da paz».
O seu poder será engrandecido numa paz sem fim, sobre o trono de David e sobre o seu reino, para o estabelecer e consolidar por meio do direito e da justiça, agora e para sempre. Assim o fará o Senhor do Universo.


Salmos 96(95),1-2a.2b-3.11-12.13.

Cantai ao Senhor um cântico novo,
cantai ao Senhor, terra inteira,
cantai ao Senhor, bendizei o seu nome.

Anunciai dia a dia a sua salvação,
publicai entre as nações a sua glória,
em todos os povos as suas maravilhas.

Alegrem-se os céus, exulte a terra, ressoe o mar e tudo o que ele contém,
exultem os campos e quanto neles existe, alegrem-se as árvores das florestas.
Diante do Senhor que vem, que vem para julgar a terra. Julgará o mundo com justiça e os povos com fidelidade.




Tito 2,11-14.

Caríssimo: Manifestou-se a graça de Deus, fonte de salvação para todos os homens.
Ela nos ensina a renunciar à impiedade e aos desejos mundanos para vivermos, no tempo presente, com temperança, justiça e piedade,
aguardando a ditosa esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo,
que Se entregou por nós, para nos resgatar de toda a iniquidade e preparar para Si mesmo um povo purificado, zeloso das boas obras.


Lucas 2,1-14.

Naqueles dias, saiu um decreto de César Augusto, para ser recenseada toda a terra.
Este primeiro recenseamento efetuou-se quando Quirino era governador da Síria.
Todos se foram recensear, cada um à sua cidade.
José subiu também da Galileia, da cidade de Nazaré, à Judeia, à cidade de David, chamada Belém, por ser da casa e da descendência de David,
a fim de se recensear com Maria, sua esposa, que estava para ser mãe.
Enquanto ali se encontravam, chegou o dia de ela dar à luz
e teve o seu Filho primogénito. Envolveu-O em panos e deitou-O numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.
Havia naquela região uns pastores que viviam nos campos e guardavam de noite os rebanhos.
O Anjo do Senhor aproximou-se deles, e a glória do Senhor cercou-os de luz; e eles tiveram grande medo.
Disse-lhes o Anjo: «Não temais, porque vos anuncio uma grande alegria para todo o povo:
nasceu-vos hoje, na cidade de David, um Salvador, que é Cristo Senhor.
Isto vos servirá de sinal: encontrareis um Menino recém-nascido, envolto em panos e deitado numa manjedoura».
Imediatamente juntou-se ao Anjo uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus, dizendo:
«Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados».



Tradução litúrgica da Bíblia



Comentário do dia:

Santo Afonso-Maria de Ligório (1696-1787), bispo, doutor da Igreja
Discurso para a novena de Natal, n.º 10

«Anuncio-vos uma grande alegria para todo o povo»

«Anuncio-vos uma grande alegria». Tais são as palavras do anjo aos pastores de Belém. Repito-vo-las hoje, almas fiéis: trago-vos uma notícia que vos causará uma grande alegria. Para uns pobres exilados, condenados à morte, haverá notícia mais feliz do que a do aparecimento do seu Salvador, vindo não só para os libertar da morte, mas para lhes conceder o regresso à pátria? É precisamente isto o que eu vos anuncio: «Nasceu-vos um Salvador» [...].

Quando um monarca entra pela primeira vez numa cidade do seu reino, são-lhe rendidas as maiores honras; quantas ruas engalanadas, quantos arcos do triunfo! Prepara-te, pois, ó bem-aventurada Belém, para receberes condignamente o teu Rei. [...] Que saibas, como te diz o profeta (Miq 5,1), que de entre todas as cidades da Terra, és a mais favorecida, pois foi a ti que o Rei do Céu escolheu para lugar do seu nascimento aqui na Terra, para depois reinar não apenas na Judeia, mas nos corações dos homens, em toda a parte [...]. O que não terão dito os anjos ao verem a Mãe de Deus entrar numa gruta para aí dar à luz o Rei dos reis! Os filhos dos príncipes vêm ao mundo em aposentos cintilantes de ouro [...], rodeados pelos mais altos dignitários do reino. Ele, o Rei do Céu, quis vir nascer num estábulo frio e sem lume, tendo para Se cobrir apenas uns pobres farrapos; e, para Se deitar, apenas uma miserável manjedoira com um pouco de palha [...].

Ah! A própria consideração do nascimento de Jesus Cristo e das circunstâncias que o acompanharam deverá abrasar-nos de amor; e as smples palavras «gruta», «manjedoira», «palha», «leite», «gemidos», ao porem-nos diante dos olhos o Menino de Belém, deverão ter sobre nós o efeito de setas inflamadas ferindo-nos de amor o coração. Bendita gruta, bendita manjedoira, bendita palha! Mas muito mais benditas ainda sejam as almas que com fervor e ternura amam este Senhor tão digno de amor, almas que, ardendo de inflamada caridade, O recebem na santa comunhão. Com que ardor, com que alegria, Jesus vem descansar nas almas que verdadeiramente O amam!







Textos Retirados de: Evangelho Quotidiano. org