quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Liturgia do Dia - sua Profecia diária


Quinta-feira, dia 29 de Dezembro de 2016

5º Dia da Oitava do Natal

S. Tomás Becket, bispo, mártir, +1170

Comentário do dia
Santo Aelredo de Rievaulx : «Simeão recebeu-O em seus braços»

1 João 2,3-11.

Caríssimos: Nós sabemos que conhecemos Jesus Cristo, se guardamos os seus mandamentos.
Aquele que diz conhecê-l'O e não guarda os seus mandamentos é mentiroso e a verdade não está nele.
Mas se alguém guarda a sua palavra, nesse o amor de Deus é perfeito. Nisto reconhecemos que estamos n'Ele.
Quem diz que permanece n'Ele deve também proceder como Ele procedeu.
Caríssimos, não vos escrevo um mandamento novo, mas um mandamento antigo, que recebestes desde o princípio. Este mandamento antigo é a palavra que ouvistes.
No entanto, é um mandamento novo que vos escrevo — o que é verdadeiro n'Ele e em vós—, porque as trevas estão a passar e já brilha a luz verdadeira.
Quem diz que está na luz e odeia o seu irmão ainda se encontra nas trevas.
Quem ama o seu irmão permanece na luz e não há nele ocasião de pecado.
Mas quem odeia o seu irmão encontra-se nas trevas, caminha nas trevas e não sabe para onde vai, porque as trevas lhe cegaram os olhos.


Salmos 96(95),1-2a.2b-3.5b-6.

Cantai ao Senhor um cântico novo,
cantai ao Senhor, terra inteira,
cantai ao Senhor, bendizei o seu nome.

Anunciai dia a dia a sua salvação,
publicai entre as nações a sua glória,
em todos os povos as suas maravilhas.

Foi o Senhor quem fez os céus:
diante d'Ele a honra e a majestade,
no seu templo o poder e o esplendor.




Lucas 2,22-35.

Ao chegarem os dias da purificação, segundo a Lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, para O apresentarem ao Senhor,
como está escrito na Lei do Senhor: "Todo o filho primogénito varão será consagrado ao Senhor",
e para oferecerem em sacrifício um par de rolas ou duas pombinhas, como se diz na Lei do Senhor.
Vivia em Jerusalém um homem chamado Simeão, homem justo e piedoso, que esperava a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava nele.
O Espírito Santo revelara-lhe que não morreria antes de ver o Messias do Senhor;
e veio ao templo, movido pelo Espírito. Quando os pais de Jesus trouxeram o Menino para cumprirem as prescrições da Lei no que lhes dizia respeito,
Simeão recebeu-O em seus braços e bendisse a Deus, exclamando:
Agora, Senhor, segundo a vossa palavra, deixareis ir em paz o vosso servo,
porque os meus olhos viram a vossa salvação,
que pusestes ao alcance de todos os povos:
luz para se revelar às nações e glória de Israel, vosso povo.
O pai e a mãe do Menino Jesus estavam admirados com o que d'Ele se dizia.
Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua Mãe: "Este Menino foi estabelecido para que muitos caiam ou se levantem em Israel e para ser sinal de contradição;
- e uma espada trespassará a tua alma - assim se revelarão os pensamentos de todos os corações".



Tradução litúrgica da Bíblia



Comentário do dia:

Santo Aelredo de Rievaulx (1110-1167), monge cisterciense
In Ypapanti Domini

«Simeão recebeu-O em seus braços»

Simeão fora ao templo, «movido pelo Espírito». E tu, se procuraste Jesus por toda a parte, quer dizer, se - como a Esposa do Cântico dos Cânticos (Ct 3,1-3) – O procuraste escondido no teu repouso, quer lendo, quer meditando, se O procuraste na cidade, interrogando os teus irmãos, falando dele, [...] se O procuraste nas ruas e nas praças, aproveitando as palavras e os exemplos dos outros, se O procuraste junto das sentinelas, escutando os que atingiram a perfeição, então também tu irás ao templo, «movido pelo Espírito», pois esse é o melhor lugar para o encontro entre o Verbo e a alma: procuramo-Lo por toda a parte, encontramo-Lo no templo. [...] «Encontrei aquele que a minha alma ama» (Ct 3,4). Procura, pois, por toda a parte, procura em tudo, procura junto de todos, passa e ultrapassa tudo para finalmente entrares na tenda, na morada de Deus, e então encontrá-Lo-ás.

Simeão fora ao templo, «movido pelo Espírito». Quando seus pais levaram o Menino Jesus, também ele O recebeu: eis o amor que prova pelo consentimento, que se prende pelo abraço, que saboreia pelo afeto. Ó irmãos, que aqui se cale a língua. [...] Aqui nada é mais desejável do que o silêncio: são os segredos do Esposo e da Esposa [...], nos quais estrangeiro algum pode tomar parte: «O meu segredo é meu, o meu segredo é meu!" (Is 24,16 Vulgata). Onde está o teu segredo, Esposa que foste a única a experimentar a doçura que se saboreia quando, num beijo espiritual, o espírito criado e o Espírito incriado vão ao encontro um do outro e se unem um ao outro, a tal ponto que são dois num só, melhor, diria eu, um só, justificante e justificado, santificado e santificante, divinizante e divinizado? [...]

Pudéssemos nós merecer dizer também o que se segue: «Agarrei-te e não mais te largarei» (Ct 3,4). Mereceu-o S. Simeão, ele que disse : «Agora, Senhor, [...] deixareis ir em paz o vosso servo». Quis que Deus o deixasse partir, liberto dos laços da carne, para apertar mais intimamente com o abraço do seu coração Jesus Cristo nosso Senhor, a quem pertence a glória e a honra pelos séculos sem fim.







Textos Retirados de: Evangelho Quotidiano. org