sábado, 22 de abril de 2017

Cristo ressuscitou!

Prezados leitores

Cristo ressuscitou verdadeiramente! 

Toda a equipa do Evangelho Quotidiano se alegrou convosco no domingo passado com o triunfo da Luz sobre as trevas, o triunfo da Cruz gloriosa, da vitória da Vida sobre a morte!

Na Páscoa, contemplamos a infinita misericórdia de Deus: eterna misericórdia do Pai, que nos dá o seu Filho único para nos resgatar; eterna misericórdia do Filho, que aceita tomar sobre os seus ombros toda a nossa miséria, todos os nossos pecados, Ele que viu verdadeiramente todos os nossos pecados passarem diante dos seus olhos no Jardim das Oliveiras.

Na tarde da Ressurreição, Jesus aparece aos seus apóstolos e institui o sacramento da penitência dando-lhes o poder de perdoarem os pecados. No dia do seu triunfo, a divina misericórdia dá-nos o sacramento que afasta deste mundo o mal e o choro e chama-nos, a nós pecadores, a uma vida nova. Se formos muitas vezes confessar-nos e reconciliar-nos com Deus, obteremos todas as graças necessárias para viver a nossa fé de uma forma cada vez mais perfeita e poderemos, assim, enxertar-nos no coração misericordioso de Jesus que nos encherá de Paz.

 

A equipa do Evangelho Quotidiano em língua portuguesa

Liturgia do Dia - sua Profecia diária


Sabado, dia 22 de Abril de 2017

Sábado NA OITAVA DA PÁSCOA

S. Sotero, papa, mártir, +174, Santa Senhorinha, virgem, +982

Comentário do dia
São João da Cruz : «Censurou-os pela sua incredulidade.»

Actos 4,13-21.

Naqueles dias, os chefes do povo, os anciãos e os escribas, vendo a firmeza de Pedro e de João e verificando que eram homens iletrados e plebeus, ficaram surpreendidos. Reconheciam-nos como companheiros de Jesus,
mas, como viam diante deles o homem que fora curado, nada podiam replicar.
Mandaram-nos então sair do Sinédrio e começaram a deliberar entre si:
«Que havemos de fazer a estes homens? Que se realizou por meio deles um milagre, sabem-no todos os habitantes de Jerusalém e não podemos negá-lo.
Mas para que isto não continue a divulgar-se entre o povo, vamos intimá-los com ameaças que não falem desse nome a ninguém.
Chamaram-nos então e proibiram-nos terminantemente falar ou ensinar em nome de Jesus.
Mas Pedro e João responderam: «Se é justo aos olhos de Deus obedecer-vos antes a vós que a Ele, julgai-o vós próprios.
Nós é que não podemos calar o que vimos e ouvimos».
Depois de novas ameaças, puseram-nos em liberdade, pois não encontravam modo de os castigar, por causa do povo, uma vez que todos davam glória a Deus pelo que tinha acontecido.


Salmos 118(117),1.14-15ab.16-18.19-21.

Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,
porque é eterna a sua misericórdia.
O Senhor é a minha fortaleza e a minha glória,
foi Ele o meu Salvador.
Gritos de júbilo e de vitória nas tendas dos justos:
a mão do Senhor fez prodígios.

Gritos de júbilo e de vitória nas tendas dos justos:
a mão do Senhor fez prodígios.
mão do SENHOR foi magnífica; a mão do SENHOR fez maravilhas.»
Não morrerei, mas hei-de viver
para anunciar as obras do Senhor.
Com dureza me castigou o Senhor,

mas não me deixou morrer.
Abri-me as portas da justiça:
entrarei para dar graças ao Senhor.
Esta é a porta do Senhor:
os justos entrarão por ela.
Eu Vos darei graças porque me ouvistes

e fostes o meu Salvador.



Marcos 16,9-15.

Jesus ressuscitou na manhã do primeiro dia da semana e apareceu em primeiro lugar a Maria Madalena, da qual tinha expulsado sete demónios.
Ela foi anunciar aos que tinham andado com Ele e estavam mergulhados em tristeza e pranto.
Eles, porém, ouvindo dizer que Jesus estava vivo e fora visto por ela, não acreditaram.
Depois disto, manifestou-Se com aspeto diferente a dois deles que iam a caminho do campo.
E eles correram a anunciar aos outros, mas também não lhes deram crédito.
Mais tarde apareceu aos Onze, quando eles estavam sentados à mesa, e censurou-os pela sua incredulidade e dureza de coração, porque não acreditaram naqueles que O tinham visto ressuscitado.
E disse-lhes: «Ide por todo o mundo e proclamai o Evangelho a toda a criatura».



Tradução litúrgica da Bíblia



Comentário do dia:

São João da Cruz (1542-1591), carmelita descalço, doutor da Igreja
A Subida ao Carmelo 3,31

«Censurou-os pela sua incredulidade.»

Quando há abundância de sinais e de testemunhos, é menos meritório acreditar. [...] É por isso que Deus só realiza obras maravilhosas quando elas são absolutamente necessárias para a fé dos homens. Por este motivo, e a fim de que os seus discípulos não fossem privados do mérito da fé por terem tido experiência directa da sua ressurreição, antes de lhes aparecer, dispôs as coisas de modo que eles acreditassem sem O terem visto.

A Maria Madalena, começou por lhe mostrar o túmulo vazio; em seguida, instruiu-a por meio dos anjos, porque «a fé vem da pregação», como diz S. Paulo (Rom 10,17). O Senhor queria que ela cresse ouvindo e antes de ver; e, quando O viu, foi sob a aparência de um jardineiro, a fim de completar a sua instrução na fé.

Aos discípulos, começou por lhes enviar as santas mulheres, que lhes disseram que Ele tinha ressuscitado. Aos peregrinos de Emaús, começou por lhes inflamar o coração na fé, antes de Se lhes revelar. Por fim, repreendeu os discípulos por não terem acreditado. E a Tomé, que tinha querido tocar-Lhe nas chagas, disse: «Bem-aventurados os que, sem terem visto, acreditam!» (Jo 20,29).







Textos Retirados de: Evangelho Quotidiano. org