domingo, 7 de maio de 2017

Liturgia do Dia - sua Profecia diária


Domingo, dia 07 de Maio de 2017

4º Domingo da Páscoa

Santa Flávia Domitila, Virgem e Mártir, séc. I, Santo Agostinho Roscelli, presbítero, fundador, +1902

Comentário do dia
Beato Paulo VI : «Ele chama cada uma delas pelo seu nome»

Actos 2,14.36-41.

No dia de Pentecostes, Pedro, de pé, com os onze Apóstolos, ergueu a voz e falou ao povo: «Homens da Judeia e vós todos que habitais em Jerusalém, compreendei o que está a acontecer e ouvi as minhas palavras:
«Saiba com absoluta certeza toda a casa de Israel que Deus fez Senhor e Messias esse Jesus que vós crucificastes».
Ouvindo isto, sentiram todos o coração trespassado e perguntaram a Pedro e aos outros Apóstolos: «Que havemos de fazer, irmãos?».
Pedro respondeu-lhes: «Convertei-vos e peça cada um de vós o Batismo em nome de Jesus Cristo, para vos serem perdoados os pecados. Recebereis então o dom do Espírito Santo,
porque a promessa desse dom é para vós, para os vossos filhos e para quantos, de longe, ouvirem o apelo do Senhor, nosso Deus».
E com muitas outras palavras os persuadia e exortava, dizendo: «Salvai-vos desta geração perversa».
Os que aceitaram as palavras de Pedro receberam o Batismo, e naquele dia juntaram-se aos discípulos cerca de três mil pessoas.


Salmos 23(22),1-3a.3b-4.5.6.

O Senhor é meu pastor: nada me falta.
Leva-me a descansar em verdes prados,
conduz-me às águas refrescantes
e reconforta a minha alma.

Ele me guia por sendas direitas por amor do seu nome.
Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos,
não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo:
o vosso cajado e o vosso báculo

me enchem de confiança.
Para mim preparais a mesa,
à vista dos meus adversários;
com óleo me perfumais a cabeça,

e o meu cálice transborda.
A bondade e a graça hão-de acompanhar-me,
todos os dias da minha vida,
e habitarei na casa do Senhor

para todo o sempre.



1 Pedro 2,20-25.

Carissímos: Se vós, fazendo o bem, sofreis com paciência, isso é uma coisa meritória diante de Deus.
Para isto é que fostes chamados, porque Cristo sofreu também por vós, deixando-vos o exemplo, para que sigais os seus passos.
Ele não cometeu pecado algum e na sua boca não se encontrou mentira.
Insultado, não pagava com injúrias; maltratado, não respondia com ameaças; mas entregava-Se Àquele que julga com justiça.
Ele suportou os nossos pecados no seu Corpo, sobre o madeiro da cruz, a fim de que, mortos para o pecado, vivamos para a justiça: pelas suas chagas fomos curados.
Vós éreis como ovelhas desgarradas, mas agora voltastes para o pastor e guarda das vossas almas.


João 10,1-10.

Naquele tempo, disse Jesus: «Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que não entra no aprisco das ovelhas pela porta, mas entra por outro lado, é ladrão e salteador.
Mas aquele que entra pela porta é o pastor das ovelhas.
O porteiro abre-lhe a porta e as ovelhas conhecem a sua voz. Ele chama cada uma delas pelo seu nome e leva-as para fora.
Depois de ter feito sair todas as que lhe pertencem, caminha à sua frente; e as ovelhas seguem-no, porque conhecem a sua voz.
Se for um estranho, não o seguem, mas fogem dele, porque não conhecem a voz dos estranhos».
Jesus apresentou-lhes esta comparação, mas eles não compreenderam o que queria dizer.
Jesus continuou: «Em verdade, em verdade vos digo: Eu sou a porta das ovelhas.
Aqueles que vieram antes de Mim são ladrões e salteadores, mas as ovelhas não os escutaram.
Eu sou a porta. Quem entrar por Mim será salvo: é como a ovelha que entra e sai do aprisco e encontra pastagem.
O ladrão não vem senão para roubar, matar e destruir. Eu vim para que as minhas ovelhas tenham vida e a tenham em abundância».



Tradução litúrgica da Bíblia



Comentário do dia:

Beato Paulo VI (1897-1978), papa de 1963 a 1978
Mensagem do Papa Paulo VI para o 8.º Dia Mundial das Vocações

«Ele chama cada uma delas pelo seu nome»

Quando Jesus Se apresentava como o Bom Pastor, relacionava-Se com uma longa tradição bíblica, já familiar aos seus discípulos e aos outros ouvintes. Com efeito, o Deus de Israel tinha-Se manifestado sempre como o Bom Pastor do seu povo: tinha ouvido os seus lamentos (cf Ex 3,7); tinha-o libertado da terra da escravidão (cf Dt 5,6); «o Senhor é quem dirige as batalhas» (Ex 15,3) durante o fatigante caminho no deserto para a pátria prometida (cf Sl 78, 52s). [...] Século após século, o Senhor tinha continuado a guiá-lo, ou melhor, a levá-lo nos braços, como o pastor leva os cordeiros (cf Is 40,11). Tinha-o levado mesmo depois da punição do exílio, chamando novamente e reunindo as ovelhas dispersas para as reconduzir à terra dos seus pais (cf Is 49,8s).

Era por este motivo que os antigos crentes se dirigiam filialmente a Deus chamando-Lhe o seu Pastor: «O Senhor é o meu pastor, nada me falta; em verdes prados me apascenta; conduz-me junto das águas refrescantes para repousar; reconforta a minha alma e guia-me pelos caminhos retos» (Sl 23,1s). Eles sabiam que o Senhor era um Pastor bom, paciente, às vezes severo, mas sempre misericordioso com o seu povo, ou melhor, com todos os homens. [...]

Quando, na plenitude dos tempos, chegou Jesus, encontrou o seu povo «como ovelhas sem pastor» (Mt 9,36) e encheu-Se de compaixão. Nele, as profecias realizavam-se e terminavam os tempos da expetativa. Com as mesmas palavras da tradição bíblica (cf Ez 34,11-16), Jesus apresentou-Se como o Bom Pastor que conhece as suas ovelhas, as chama pelo nome e dá a vida por elas (cf Jo 10,11s). E assim «haverá um só rebanho e um só Pastor» (Jo 10,16).







Textos Retirados de: Evangelho Quotidiano. org