sábado, 15 de julho de 2017

Liturgia do Dia - sua Profecia diária


Sabado, dia 15 de Julho de 2017

Sábado da 14ª semana do Tempo Comum

S. Boaventura, bispo, Doutor da Igreja, +1274

Comentário do dia
Beato Charles de Foucauld : «Mas Eu digo-vos: amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem» (Mt 5, 44)

Gén. 49,29-32.50,15-26a.

Naqueles dias, Jacob deu aos seus filhos esta ordem: «Eu vou reunir-me à minha gente. Sepultai-me junto dos meus pais, na gruta que está no campo de Efron, o hitita,
na gruta do campo de Macpela, diante de Mambré, na terra de Canaã, o campo comprado por Abraão a Efron, o hitita, como propriedade funerária.
Aí foram sepultados Abraão e sua mulher Sara; aí foram sepultados Isaac e sua mulher Rebeca; e foi lá também que eu sepultei Lia.
O campo e a gruta que está nele foram comprados aos filhos de Het».
Ao verem que seu pai tinha morrido, os irmãos de José disseram entre si: «E se José nos guardar rancor e quiser que paguemos agora todo o mal que lhe fizemos?».
Por isso mandaram dizer a José: «Antes de morrer, teu pai deu-nos esta ordem:
'Dizei a José da minha parte: Peço-te que perdoes aos teus irmãos o seu crime e o seu pecado e todo o mal que te fizeram'. Também nós te pedimos que perdoes esse crime aos servos do Deus de teu pai». Ao ouvir o que eles mandaram dizer, José chorou.
Os irmãos foram pessoalmente prostrar-se a seus pés e disseram-lhe: «Estamos aqui como teus servos».
Mas José respondeu-lhes: «Não temais. Estarei eu porventura no lugar de Deus?
Vós tivestes a intenção de me fazer mal, mas Deus, nos seus desígnios, converteu-o em bem, a fim de se realizar o que hoje sucede: salvar a vida a um povo numeroso.
Portanto, não temais. Eu vos sustentarei, bem como aos vossos filhos». Assim os confortou e lhes falou ao coração.
José e a família de seu pai permaneceram no Egipto e José viveu até aos cento e dez anos.
Viu os filhos de Efraim até à terceira geração e os filhos de Maquir, filho de Manassés, que, ao nascerem, recebeu sobre os seus joelhos.
Por fim, José disse aos irmãos: «Eu vou morrer, mas Deus há-de ajudar-vos e vos fará regressar deste país à terra que prometeu com juramento a Abraão, Isaac e Jacob».
E, obrigando-os sob juramento, disse aos filhos de Israel: «Deus há-de ajudar-vos; então levareis daqui os meus ossos».
E José morreu aos cento e dez anos de idade.


Salmos 105(104),1-2.3-4.6-7.

Dai graças ao Senhor, aclamai o seu nome,
anunciai entre os povos as suas obras.
Cantai-Lhe salmos e hinos,
proclamai todas as suas maravilhas.

Gloriai-vos no seu nome santo,
exulte o coração dos que procuram o Senhor.
Procurai o Senhor e o seu poder,
buscai sempre a sua face.

Vós, descendentes de Abraão, seu servo,
filhos de Jacob, seu eleito,
o Senhor é o nosso Deus
e as suas sentenças são lei em toda a terra.




Mateus 10,24-33.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus apóstolos: «O discípulo não é superior ao mestre, nem o servo é superior ao seu senhor.
Ao discípulo basta ser como o seu mestre e ao servo ser como o seu senhor. Se ao chefe da família chamaram Belzebu, quanto mais aos da sua casa?
Não tenhais medo dos homens, pois nada há encoberto que não venha a descobrir-se, nada há oculto que não venha a conhecer-se.
O que vos digo às escuras, dizei-o à luz do dia; e o que escutais ao ouvido proclamai-o sobre os telhados.
Não temais os que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Temei antes Aquele que pode lançar na geena a alma e o corpo.
Não se vendem dois passarinhos por uma moeda? E nem um deles cairá por terra sem consentimento do vosso Pai.
Até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados.
Portanto, não temais: valeis muito mais do que todos os passarinhos.
A todo aquele que se tiver declarado por Mim diante dos homens, também Eu Me declararei por ele diante do meu Pai que está nos Céus.
Mas àquele que Me negar diante dos homens, também Eu o negarei diante do meu Pai que está nos Céus».



Tradução litúrgica da Bíblia



Comentário do dia:

Beato Charles de Foucauld (1858-1916), eremita e missionário no Saara
Meditações sobre o Evangelho de São Lucas, 1898

«Mas Eu digo-vos: amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem» (Mt 5, 44)

«A partir do momento em que vos declarardes meus servidores, tendes de esperar perseguições. Eu fui perseguido durante toda a vida. Ao nascer, Herodes quis matar-Me; mal comecei a pregar, os meus concidadãos quiseram matar-Me; mal Me livrei das mãos deles, vi-Me sujeito às emboscadas dos fariseus e de Herodes [Antipas], que Me perseguiram de cidade em cidade e, durante três anos, todos os dias Me lançavam novas armadilhas para Me dar a morte. [...]

Tendes de receber as perseguições com alegria, como sinais preciosos da vossa semelhança comigo, como imitação do vosso bem-amado; de as suportar com calma, cientes de que elas acontecem porque Eu as permito, de que só vos atingirão na medida em que Eu o permitir, de que, sem minha autorização, nem um cabelo da vossa cabeça pode cair. De as aceitar [...] dando as boas-vindas a tudo quanto vos acontece, dado que tudo isso contribui, de uma maneira ou de outra, para a glória de Deus. De as sofrer com coragem, oferecendo os vossos sacrifícios a Deus como holocausto para sua glória. [...] De as sofrer rezando pelos vossos perseguidores, dado que também eles são filhos de Deus, que Deus quer que se salvem, e que Eu dei o meu sangue para os salvar. Eu próprio vos dei o exemplo de rezar por todos os homens, incluindo os que são nossos perseguidores e nossos inimigos.»







Textos Retirados de: Evangelho Quotidiano. org